Gestão de fertilidade do solo: antes e depois da COVID-19

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Por Gabriela Paola Aguiar Silva (MSc. Tecnologia de Processos Sustentáveis)

Com o distanciamento social imposto pela proliferação do coronavírus, percebe-se a migração em massa da sociedade para o ambiente digital. Esta migração dava-se de forma gradual e espaçada no tempo, porém a necessidade de conexão da sociedade com o meio físico em meio ao distanciamento social tornou esta migração imediata. Isso se comprova pelo aumento do número de vendas de eletrônicos: durante o primeiro trimestre de 2020, segundo a Revista Exame, houve uma alta de 26,7% em relação ao mesmo período do ano passado (49,8 milhões de pedidos, número 32,6% maior do que o mesmo período em 2019).

Desta forma, estamos em um momento de ruptura entre antigos modelos e modelos digitais de gestão por meio de inovações tecnológicas. Rapidamente, o universo digital demonstra seu potencial para salvaguardar e servir à sociedade global da forma mais eficiente possível.

Diversas startups AgTechs brasileiras – como a Geodata, que já vinham investindo em agricultura digital – desenvolvem e aplicam novas tecnologias de gestão de fertilidade do solo e hoje estão prontas para atender à demanda do mercado. Entretanto, sabe-se da dificuldade de acesso à internet em regiões isoladas no campo. Uma solução inteligente para este problema é a utilização de aplicativos de gestão de fertilidade do solo em modo offline, como oferecido pelo aplicativo Geodata.

As novas plataformas digitais de gestão de fertilidade de solo permitem o acúmulo de diversas informações de forma precisa, prática e organizada. A plataforma oferece, entre outras funções, serviços de monitoramento que compõem um histórico via satélite das fazendas em análise, bem como mapas de fertilidade e mapas de prescrição de produtos por safra, que permitem ainda comparações dos dados entressafras e, consequentemente, interpretações desses dados com maior agilidade e eficiência.

A eficácia da agricultura digital já é conhecida pelos produtores que utilizam novas tecnologias para produzir mais com a utilização de menos recursos. O aplicativo Geodata, por exemplo, acumula funcionalidades como bússola, caderneta de campo, câmera e GPS, eliminando a obrigação do uso de aparelhos específicos para essas funções e proporcionando maior agilidade na captura e análise de informações.

Produzir em maior quantidade e de forma sustentável de acordo com a legislação ambiental é essencial, visto que projeções atuais da ONU indicam 10 bilhões de habitantes no mundo no ano de 2100. Um fato interessante na agricultura digital é que ela permite, entre outras funcionalidades, o gerenciamento da fertilidade do solo da fazenda de forma eficiente, tornando possível que áreas pouco produtivas, como os latossolos do cerrado, tenham seu quadro revertido com base em pesquisas de fertilidade, nutrição de plantas e aplicação em taxas variáveis dos produtos recomendados por agrônomos. Todas essas informações são apresentadas de forma dinâmica aos produtores através do aplicativo Geodata.

Neste momento, é nosso dever guiar os novos produtores que estão adentrando ao mundo da agricultura digital. Se você ainda é novo na agricultura digital, saiba que estamos atendendo remotamente de prontidão em home office, pelo WhatsApp e pelas redes sociais. Contate nossa equipe e faça já seu treinamento digital para utilizar o aplicativo Geodata!

Leave a Replay

Sobre

A Geodata atua proporcionando assertividade para o produtor rural. Através da gestão de dados na sua plataforma, ela revoluciona e vai além da agricultura de precisão. 

Criando laços a longo prazo e se aprimorando para entregar máxima funcionalidade para os seus usuários. 

Post Recentes

Siga-nos

Conheça nossa Plataforma

Play Video

Inscreva-se em nossa newsletter

Inscreva-se e entenda mais sobre Agricultura de Precisão e como ela vai prosperar o seu negócio.

Scroll Up